• Responsabilidade ambiental e moda / Ecological sensibility and the fashion industry

    31 de março, 2016

    A Carpasus é uma marca de camisas sustentáveis masculinas

    A COP-21(Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), realizada no fim do ano passado em Paris, reuniu representantes de 196 países para discutir a necessidade de grandes mudanças nas matrizes energéticas, nos sistemas de produção e, principalmente, nos padrões de consumo.

    O mercado da moda, vasta indústria que muda suas peças constantemente, gerada por grandes lançamentos que, cada vez mais, ficam menos tempo na vitrine, vem sendo aos poucos reeditado em alguns países.

    Algumas marcas vem adotando posturas de uma empresa mais adequada à consciência de seus clientes, combatendo desde o trabalho escravo e infantil até a redução de enormes gastos, confeccionando peças que são usadas, no máximo, sete vezes, depois se tornando ultrapassadas.

    Baseado em um grande estudo, a jornalista Elizabeth Cline, em texto veiculado no portal da revista The Atlantic, em fevereiro de 2016, observou que o mercado dos EUA está se modificando e gerando uma tendência entre seus consumidores a comprar um número menor de peças de roupa por ano e a gastar mais por unidade. Segundo seu estudo, 41% dos entrevistados, em 60 países, indicam a intenção de pagar mais por produtos de empresas comprometidas com boas práticas sociais e ambientais.

    A marca alemã Aluc e a suíça Carpasus já adotam medidas sustentáveis na confecção de suas peças. A Aluc reutiliza tecidos de estoques de indústrias, que seria descartados, em suas roupas; e sua linha de camisetas intitulada Invincible T-Shirt foi desenvolvida em parceria com uma fábrica de Bangladesh, ajudando vítimas e sobreviventes do desabamento do prédio Rana Plaza. Já a Carpasus, marca de alfaiataria de alta qualidade desenvolve camisas sociais masculinas cujos botões e até o próprio algodão são ecologicamente corretos e livres de produtos químicos.

    Aparentemente, o crescimento da demanda por produtos orgânicos e artesanais e por uma rejeição, por razões éticas e estéticas, a produtos de fabricação em massa deve permanecer e crescer cada vez mais nas próximas estações.
    ….

     

    The COP-21 (United Nations Climate Change Conference) was held in Paris late last year. The conference negotiated a global agreement on the reduction of climate change, including the need to change energy sources, gas emissions and specially the consumption patterns.

    The Fashion industry with its constant changes and new trends released by famous brands and new collections that lasts less and less in the stores windows is slowly being recycled in some countries. Few brands are active in fighting slave labor, child labor and even excessive expenses in manufacturing clothes that will be used a minimum of times and will become “old fashion”.

    Based on a recent survey that was commissioned by British Charity Barnardo’s, Elizabeth Cline from The Atlantic (www.theatlantic.com) observed that the fashion market is changing and consumer is willing to pay more for item and buy less clothes. In another study made in 2014 by Nielsen more than 50% of people interviewed in 60 different countries and 41% of Americans indicated that they would be willing to pay more per product knowing that the manufacturer of these clothes were more ethically-minded companies.

    Some companies like the German Aluc and the Swiss Carpasus have being conscious of an efficient way of utilizing resources, while avoiding the exploitation of workers and exponential waste. Aluc utilizes the textile industry’s waste – upcycling – to produce its clothes. An example of conscious fashion is the “Invincible T-Shirt” that was designed by Aluc and produced in Bangladesh by the survivors of the Rana Plaza tragedy. Carpasus – the Swiss high quality brand of men’s dress shirts – produces the shirts from organic cotton under fair and humane working conditions for cotton farmers and textile workers.

    It looks like the new style is artisanal products and handmade items and more and more people are rejecting mass-production for aesthetic reasons and because of the exploitation in the “fast-fashion system”. There’s a big trend in the growth of ecological sensibility and the consumers are looking for designs clothes produced in a socially responsible manner.

Raquel P. Fejgiel

Criei o blog em 2014, com a intenção de escrever sobre moda, gastronomia, lifestyle, beleza e viagens. Sou formada em Jornalismo na UFRJ, Produção de Moda pela Puc-Rio e Branding no IED Rio. Entre vários cursos que fiz na área de moda estão alguns como "Marcas que fazem a Moda no Rio" na Casa do Saber, Personal Stylist e Jornalismo de Moda no Instituto Rio Moda.

See more

Most Read

Newsletter

Advertising